Micropigmentação

MICROPIGMENTAÇÃO É COISA SÉRIA

Seja qual for o tratamento estético, a escolha de um bom profissional é a certeza de um trabalho bem feito. No caso da técnica de micropigmentação não é diferente. É ele quem vai impedir um efeito artificial ou muito pesado. Além disso, o uso de material de qualidade, como pigmentos, dermógrafo e agulha, associado aos dotes técnicos e bom senso estético do dermopigmentador, são essenciais ao sucesso do trabalho. A adequada postura profissional, paciência e aparência agradável também são preponderantes no atendimento.

“Um profissional sério e qualificado é fundamental para um resultado satisfatório. Uma micropigmentação bem feita equivale a uma plástica bem sucedida”, diz a micropigmentadora Vanessa Silveira, mestra em Micropigmentação Fio a Fio 3D, diretora do Instituto Vanessa Silveira, em São Paulo. Segundo ela, existem muitos perigos que envolvem a pigmentação do contorno do olho, por exemplo. Por isso, é necessário buscar um profissional capacitado para realizar o procedimento. “Como a pele da pálpebra é fina e, neste local, existem muitos vasos sanguíneos, pode surgir problemas como migração ou expansão de pigmento. Somente um profissional habilitado tem condições de trabalhar de forma segura, garantindo um olhar bonito sem causar riscos à saúde”, alerta a micropigmentadora.

Embora a técnica não seja invasiva, é preciso levar a sério os riscos ao se submeter à micropigmentação. São premissas básicas para o completo sucesso do trabalho: material de qualidade, material de uso individual descartável e principalmente assepsia do local. Com esses cuidados é rarísssimo ocorrer situações de infecção. Importante lembrar que a cliente também é responsável pela manutenção e cuidados no processo de cicatrização, devendo seguir rigorosamente as orientações dadas pelo profissional. “É necessário usar durante a primeira semana uma pomada lubrificante, para ajudar a fixar o pigmento. Neste mesmo período evitar sauna, coçar, vapores de panela, banho quente, sol, mergulho no mar ou piscina. Para aplicação nos lábios, além desses já descritos, evitar também beijar na boca e ingerir crustáceos”, lembra Vanessa.

Vanessa Silveira também alerta para o cuidados com a escolha dos pigmentos. O profissional precisa ter o cuidado de entender a pele do cliente e usar um pigmento compatível. Nas loiras, um castanho, nas morenas, o marrom. Nunca o preto, que dá aquela cor azulada com o passar do tempo. Técnicas ainda pouco difundidas e o próprio desconhecimento de reações que se poderia obter no uso de algumas tonalidades, assim como pigmentos impróprios para este tipo de trabalho, são fatores que acabam nesses trágicos efeitos. Muitos deles irreversíveis e outros com alguma possibilidade de melhora.

Hoje um bom profissional, com bons conhecimentos de colorimetria não tem praticamente chances de errar em um resultado desejado. “São falhas que até podem ser corrigidas, sim, passando por um processo de camuflagem da cor antiga e aplicação do novo e adequado tom para aquela pele. Mas o ideal é que não tenha que se passar por essa situação”, diz a micropigmentadora.

Fique de olho!

Saiba quais são os dez cuidados essenciais para se submeter ao procedimento com segurança:

1) Assepsia do local: Um ambiente asséptico, ou seja, limpo, é aquele que está livre de infecção. E a infecção só acontece quando um micro-organismo, como vírus, bactérias, protozoários ou fungos, penetra no corpo do ser humano e se prolifera. Para prevenir possíveis quadros infecciosos é imprescindível a limpeza do local e dos objetos utilizados durante a pigmentação. Começando pela lavagem das mãos!

2) Material descartável: Devido à técnica invasiva e ao possível sangramento, deve-se estar atento aos aspectos fundamentais quanto à assepsia e esterilização do material. Todas as pessoas envolvidas no processo deverão estar devidamente resguardadas quanto a possibilidade de contaminação que a técnica envolve. Todo material deve ser preparado, de preferência, em frente ao cliente para que sejam observados os cuidados quanto à higiene, esterilização e descarte dos mesmos. A cabine e todo equipamento utilizados devem seguir as normas da Vigilância Sanitária.

3) Aparelho de ótima qualidade: Fator importantíssimo é o dermógrafo, que deve ser da melhor qualidade e de precisão, que não permita passar a trepidação do motor para a mão de quem realiza o trabalho de dermopigmentação. As agulhas devem ser de ótima qualidade, com pontas bem acabadas e resistentes, pois através delas será introduzido o pigmento na segunda camada da pele. Alguns profissionais usam máquina de tatuagem, que não é indicada para este tratamento e pode ferir a pele. A agulha é muito pesada e pode até mesmo criar uma queloide.

4) Profissional especializado em técnicas de design de sobrancelhas: O design da sobrancelha é fundamental para a harmonia do rosto, mas muitas pessoas não se preocupam com este detalhe antes do procedimento e depois vem o arrependimento. Por isso um profissional especializado é extremamente recomendado e indispensável para um resultado sem surpresas desagradáveis.

5) Profissional formado em pigmentação de pele, habilitado e experiente: Como qualquer trabalho estético, a micropigmentação deve ser feita por profissionais formados, treinados e experientes, que tenham conhecimento sobre pele, colorimetria, desenhos, assepsia, entre outros conhecimentos importantes ligados à técnica e à aplicação.

6) Pigmentos de ótima qualidade e grande variedade de cores: Vários tons de pigmentos devem ser colocados à disposição do dermopigmentador para alcançar resultados extremamente naturais. Deve se escolher a tonalidade do pigmento de acordo com a tonalidade de pele, olhos e cabelos, respeitando esta ordem de importância, uma vez que o pigmento é depositado em pele.

7) Orientação pré-pigmentação ao cliente: É de muita importância que todo o processo seja previamente explicado ao cliente, como o período de descamação pós- pigmentação com clareamento e ocasionais falhas na pigmentação, bem como seu período de duração. Após os esclarecimentos, deve ser preenchida a ficha de anmnese, que fornecerá importantes dados sobre o estado de saúde da cliente, assim como a documentação de todo procedimento.

8) Desenho bem natural: A micropigmentação deve ser feita por um profissional especializado para deixar o aspecto o mais delicado possível. O desenho deve ser delicado e natural, considerando o formato do rosto da paciente. A profissional deve primar por um resultado natural que valorize os traços da cliente.

9) Traços delicados: Muitas mulheres não aderiram a esta técnica com medo de trabalhos grosseiros e mal feitos. A micropigmentação, no entanto, é uma técnica delicada, que quando bem manuseada traz suavidade e beleza aos traços femininos. Realizar traços precisos, porém delicados, é imprescindível para o sucesso do procedimento. São esses traços delicados e tons suaves, que proporcionam harmonia e beleza na face corrigindo as assimetrias.

10) Observação dos cuidados pós-pigmentação: Ao finalizar o procedimento da pigmentação de qualquer área, são necessários alguns cuidados para que a fixação do pigmento não fique comprometida. O dermopigmentador deve assegurar que todo o procedimento de cicatrização seja natural, uma vez que a região afetada é bastante superficial, assim fica determinado o uso de um cicatrizante cosmético. Os cuidados nos oito dias posteriores são: lavar o local com água e sabão, evitando esfregar e coçar; dispensar o banho de mar, piscina ou sol; evitar água quente, sauna e vapor de panela; não levantar a crosta formada precocemente, pois acarretará na perda total da pigmentação.

Fonte – Micropigmentadora Vanessa Silveira, mestra em Micropigmentação Fio a Fio 3D, diretora do Instituto Vanessa Silveira. 

TOP